Jornal Nova Época O Jornal do seu tempo

loader
X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
<<< VOLTAR
AMOR EM DOSE DUPLA (E TRIPLA)
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

AMOR EM DOSE DUPLA (E TRIPLA)

AMOR EM DOSE DUPLA (E TRIPLA)

DIA DAS MÃES

“Mãe é mãe”. A máxima popular resume a importância delas na vida dos filhos e no seio familiar. Por isso, uma data especial marca a celebração do amor materno. O próximo domingo (8) será uma data de confraternização, em que as mães são homenageadas oficialmente e atividades alusivas a elas são realizadas.
Nessa data especial, também é momento de reflexão, de valorização da dedicação delas em educar e criar os filhos com carinho e amor. Mas o que é ser mãe? Como é esse sentimento? E quando o amor é em dose dupla e até tripla? Para a advogada e empresária Aline Ferreira de Castilhos, 42 anos, a maternidade se resume em sentir todas as emoções praticamente ao mesmo tempo.

“É sentir e receber o maior amor do mundo e também vivenciar os maiores medos e desafios! É ter a certeza absoluta de que se trata de uma linda missão de alma. É tudo muito intenso, verdadeiro e obviamente difícil, mas sem dúvida alguma, a melhor experiência do Universo” opina Aline.
Mãe das gêmeas Livia e Luiza, 6 anos, ela explica como é ser mãe em dose dupla. “E uma delícia misturada com uma dose de loucura! É imensurável as singularidades e conexões dos gêmeos, o que torna nossa experiência enquanto mãe ainda mais legal, algumas vezes até mais fácil, eu imagino. Uma faz muita companhia para outra e me dão um tempinho. No início, é mais complicado (muito mais), principalmente nos primeiros meses. Não sabia o que fazer primeiro. Então, fazia tudo junto”.


GREICE com os filhos Carolina, Érica e Lucas

Foto: Dani Bat


“SER MÃE É UMA BENÇÃO”

Um filho dá um novo sentido para a vida dos pais. Dois filhos fazem toda a diferença na rotina da família. Agora, como você imagina como uma mãe dá conta de cuidar e amar três crianças geradas juntas. A empreendedora e consultora de jóias Greice Herrmann, 41 anos, além dos desafios de ser mãe de trigêmeos, também tem uma história de superação da dor. “Sou mãe de quadrigêmeos, mas minha vida é com trigêmeos. Um dos meus bebês teve complicações após o nascimento e não resistiu. Eu precisei deixar três dos meus filhos na UTI, entre a vida e a morte, para sepultar o irmão deles. Não foi nada fácil. Os dias, semanas e meses seguintes foram divididos entre a alegria de ter três vivos e a tristeza da morte de um”, revela.

“Entretanto, acredito que justamente nestes momentos Deus nos fortalece e nos capacita. Como mãe, eu já vivenciei e aprendi tantas coisas que se torna difícil definir a maternidade em poucas palavras, mas o fato é que a maternidade é gerida e realizada de forma tão natural que todo o trabalho que a tarefa exige acaba se tornando invisível para a sociedade e até mesmo para nós, mães”, acrescenta Greice.
“Ninguém me ensinou especificamente a ser mãe. Porém, hoje eu percebo que toda a trajetória da minha vida contribuiu para me tornar a mãe que sou hoje. Pra mim, ser mãe é uma benção e uma missão. É o trabalho mais importante da minha vida. É a minha motivação diária, é inspiração, superação e amor”, destaca.

Greice tem uma rotina intensa, com os desafios e e demandas inerentes a uma mãe de múltiplos. Desde e a gestação até os dias de hoje, ela vê a maternidade com olhar e sentimento diferenciado.

“Sempre ouvi dizer que ser mãe é padecer no paraíso, mas prefiro pensar que devemos aproveitar o paraíso e não padecer nele. Isso quer dizer que busco sempre ver o lado bom das coisas. Busco enfrentar os desafios, resolvê-los e adquirir aprendizado. Ser mãe de múltiplos foi desafiador desde o princípio. Uma gestação de quádruplos é de alto risco para mãe e para os bebês. Então, cada fase superada é uma grande conquista. Os desafios vão mudando conforme o desenvolvimento e crescimento. Cada um possui suas características, preferências e personalidade. Talvez, no momento o maior desafio seja lidar com essas diferenças, buscando evitar o atrito entre eles, valorizando as potencialidades individuais”.

No domingo, ela vai comemorar com os trigêmeos Carolina, Érica e Lucas, de 8 anos, com muitos beijos, abraços e carinho. “Adoramos passar o domingo em família, seja em casa ou passeando. Estar perto dos meus filhos é meu melhor presente”, conclui.


Foto: Divulgação


“SER MÃE DE GÊMEOS ME FEZ ENTENDER QUE CINCO MINUTOS PODEM SER BEM APROVEITADOS”

Empresária do ramo de estética feminina, Izabel Cristina Casagrande, a Bel, 53 anos, também é mãe de gêmeos e destaca que, além de muito amor e carinho, também é necessário estabelecer uma rotina, planejamento e logística. “Ser mãe de gêmeos me fez entender que cinco minutos podem ser bem aproveitados se planejados e objetivos. Levei isso para o meu negócio e, hoje, executo e resolvo muito mais tarefas”, comenta.

No domingo, ela e o casal de gêmeos Otto e Elise Casagrande Brakemeier, 10 anos, farão o passeio que mais gostam,- conectados com a natureza. “Isolados, num chalé aconchegante na companhia de meu marido e parceiro e dos nossos filhos”, conta. Para as futuras mamães, ela faz uma recomendação: “Carinho, atenção e amor são de extrema importância. Fazem bem para alma, para o corpo e o coração”.


BEL Casagrande com os filhos Otto e Elise

Foto: Divulgação

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Olá, deixe seu comentário para AMOR EM DOSE DUPLA (E TRIPLA)

Enviando Comentário Fechar :/

Últimas Notícias

Matérias de Capa

PUBLICIDADE Jornal Nova Época