Jornal Nova Época O Jornal do seu tempo

loader
X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
<<< VOLTAR
ENSINANDO PONTARIA E DISCIPLINA
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

ENSINANDO PONTARIA E DISCIPLINA

ENSINANDO PONTARIA E DISCIPLINA

Aqui no Nova Época sempre tivemos a convicção de que, em Canela, reside um esportista de alto nível cujas conquistas poderiam ser melhor enaltecidas. Não que Roberto Schmits faça questão disso, mas por uma questão de merecimento. Schmitão, que pratica o tiro esportivo, tem uma carreira brilhante cujo ápice foi chegar onde todo atleta sonha: em uma Olimpíada. Ele foi selecionado e competiu nos Jogos Olímpicos do Rio em 2016. Foi medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de Lima em 2019. Participou de vários campeonatos brasileiros e copas pelo mundo afora. Sempre determinado, sempre contando com o apoio da família.

Pois agora a trajetória de Roberto atingiu outro patamar, o de treinador da Seleção Brasileira de Tiro Esportivo. Recentemente liderou uma grande equipe do nosso país no Mundial de Tiro Esportivo na Croácia.

Melhor e mais autêntico do que continuar relatando os feitos de Schmitão, é colocar aqui as palavras, com um pouco de desabafo, do próprio Roberto:

“Bom , depois de 46 anos de tiro, resolvi que seria a hora da aposentadoria. Hoje com 53 anos de vida, meu primeiro troféu em 1977, digo que vivi o Tiro Esportivo como poucos. Tive a oportunidade de conhecer o mundo. Foram 50 países, títulos que marcarão minha trajetória como atleta, na verdade já perdi as contas! Tive a oportunidade de aprender tudo sobre a vida de um atleta de alto rendimento. Sou extremamente grato por isso.
Aprender é uma coisa que não se cansa. Aprendi a ter controle sobre situações adversas, aprendi que arma serve também para praticar esporte e acima de tudo para disciplinar o atleta.

Aprendi que para ganhar eu precisava de sorte, e passei a tê-la quando comecei a treinar quatro vezes por semana. Em todos os momentos de minha trajetória tive que superar desafios. Sabia que para conquistar algo maior eu tinha que ganhar de mim mesmo. Eu soube que minha hora iria chegar. Sabia que tudo que tinha aprendido não seria em vão.

Em 2013 comecei a administrar clínicas de tiro, levando o conhecimento para todos os cantos do Brasil. Eu fazia um jogo duplo, e olha que estava dando certo! Eu ainda competia em alto nível, conquistando medalhas importantes para nosso País e ainda ensinando alunos, mostrando o caminho para o sucesso. A definição do sucesso para mim é clara: o treino supera o talento, o sucesso vem de acordo com sua intensidade.

Durante mais de vinte anos meus treinos eram na cidade de Caxias do Sul. Eu até brinco com meus amigos, ‘a Amarok vai sozinha’. Alguns km eu fiz para alcançar meus objetivos! E não me arrependo de nada. Claro que tenho uma mágoa muito grande com a cidade que escolhi para morar, pois não consegui ainda realizar um sonho de construir um clube de tiro, mesmo que seja pequeno, mas que seja lembrado pelas histórias e respeito do tiro no nosso município, por nomes como Ary Piva, Darcy Perotoni, Ademar Faller, Cláudio Delfim e outros amigos. Imagine você, no tiro fui o único canelense a ir para uma Olimpíada e nem se quer fui lembrado pelo prefeito da época. Acredito que seja por política ou até mesmo por falta de inteligência. Mas isso é passado. Coisas melhores aconteceram.

Hoje tenho uma escola com mais de 4500 alunos, tive oportunidade de dar aula na Europa e nos EUA. Tenho duas grandes empresas me apoiando, CBC e Taurus. Tive oportunidades incríveis de palestrar para mais de dez países, sou realmente um cara de sorte.
Em maio desse ano resolvi que seria a hora de parar como atleta e assumir uma responsabilidade maior, ser treinador da Seleção Brasileira. Foram três meses de cursos, minha aula prática fiz em Munique, na Alemanha, passei em todas as provas com 100%. Fiz tudo por merecer.

Acredito que uma história ficou para trás e outra está recém começando. A paixão pelo tiro será escrita em um livro, em breve. Para quem gosta, tenho um canal no YouTube: Schmitão Tiro Esportivo.

Hoje estou em treinamento com a equipe Brasileira que disputará a Copa das Américas em Lima, onde está em jogo uma vaga para Paris 2024. O objetivo é pelo menos duas Olimpíadas, agora como treinador. Sei que o caminho será longo porém jamais desistirei.

Acredito na nova safra de atletas. Jovens promissores que terão um treinador íntegro e que ama o tiro e acima de tudo acredita que SIM, É POSSÍVEL! Pois o futuro pertence àqueles que acreditam nas realizações de seus sonhos."

ENSINANDO PONTARIA E DISCIPLINAENSINANDO PONTARIA E DISCIPLINA
Dois momentos de Roberto Schmits: o treinador da Seleção Brasileira, hoje, e o atleta recém retornado da Olimpíada do Rio, em 2016 - evento gravado na sua memória e no braço.

 

 


FÀG KAR SEGSÓ TÁHN: GUFÓ U SÍ AG TÚ

Você sabia que tem gente em Canela que fala essa língua hermética? Pois é a comunidade dos Kaingang. Com a intenção de difundir sua cultura e costumes, nesse outubro os indígenas estão participando, como parte do projeto Histórias e Vivências da Aldeia Kaingang Kógunh Mág, de encontros com estudantes e interessados em geral.

ENSINANDO PONTARIA E DISCIPLINA

Na última segunda-feira, 24 de outubro, aconteceu a primeira etapa do projeto, contemplado no edital Expressões Culturais do Fundo de Apoio à Cultura do Governo do Estado. Com atividades em duas escolas municipais (foto ao lado) e na UCS, o cacique Maurício Ven Tánh Salvador, o líder espiritual Pedro Garcia e Marcio Kakopri realizaram contação de histórias, bate-papo e exibição de documentário sobre práticas culturais Kaingang e sua relação na sociedade brasileira, ampliando para campos da gastronomia, natureza, política e muitas outras.

ENSINANDO PONTARIA E DISCIPLINA

Esse sábado, (29), será marcado por um momento histórico para a etnia Kaingang: o cacique Mauricio Salvador autografará o livro infantil (foto inferior ao lado) “A araucária e a gralha-azul: uma história dos antigos Kaingang” - tradução do título acima -, em Porto Alegre em dois momentos: às 11h na banca da Teia dos Povos, na Redenção, e às 14h na 68ª Feira do Livro.

 

TEM O NEYMAR AÍ?

Em tempos de Copa do Mundo, a chuleada não é só para o Brasil ganhar, é também para encontrar as figurinhas que faltam para completar o álbum. Famílias inteiras vão à luta, como nesse encontro de trocas de sábado no Bazar Arco-Íris.

ENSINANDO PONTARIA E DISCIPLINA

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Olá, deixe seu comentário para ENSINANDO PONTARIA E DISCIPLINA

Enviando Comentário Fechar :/

Últimas Notícias

Matérias de Capa

PUBLICIDADE Jornal Nova Época