Jornal Nova Época O Jornal do seu tempo

loader
X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
<<< VOLTAR
PRIMÓRDIOS DO MOVIMENTO TRADICIONALISTA (1)
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

PRIMÓRDIOS DO MOVIMENTO TRADICIONALISTA (1)

PRIMÓRDIOS DO MOVIMENTO TRADICIONALISTA (1)

(E os cadernos do velho IGTF...)


Os tradicionalistas mais jovens, com certeza, notam que há uma lacuna sobre a constituição dos primeiros Centros de Tradições Gaúchas...

Na verdade, apesar do 1º CTG aparecer só em 1948, a história é muito mais antiga, como veremos a seguir.

Conforme Hélio Moro Mariante em ”História do Tradicionalismo Sul-Rio-Grandense” (1976), “ainda não transcorrera século e meio desde a fundação oficial do Rio Grande do Sul, 19/02/1737, e o gaúcho, principalmente o que se encontrava radicado nos maiores centros, já sentia a forte atração que a sua terra, os seus pagos, a sua querência, exerciam em sua idiossincrasia.
Este sentimento de apego ao seu torrão natal, sua auto-afirmação de suficiência, este telurismo congênito foram-lhe inculcados, sem dúvida, pela aguerrida participação dos seus maiores nas constantes lutas mantidas para a demarcação e manutenção das lides meridionais de sua pátria, onde interesses alienígenas de além-mar queriam fazer valer o seu domínio.(..........)”.

A isso tudo, soma-se o modo de vida – principalmente no homem do interior – com patrão e peão em pé de igualdade, mourejando de sol a sol... e uma amizade enraizada nafraternidade da cuia de chimarrão.

Um exemplo de firmeza de caráter pouco comum que atravessou gerações:a palavra empenhada, o fio de bigode, o respeito à família.

Somando-se, ainda, o apego ao torrão natal, o amor aos pagos, uma grata ternura à querência.

Como se não bastasse, outras influências se fizeram presentes nessa primeira arrancada de civismo rio-grandense.

O Partenon Literário
Em plena Guerra do Paraguai, em 1868, é fundado em Porto Alegre o Partenon Literário por um grupo de intelectuais gaúchos. A principal agremiação cultural do Estado no século XIX. E torna-se, de imediato, o porta-vozdo telurismo, proclamando aos quatro ventos patriotismo, “gauchismo”e sentimento pela terra tão nova e tão sofrida, através de revistas, livros, artigos de jornais e saraus.

Nasceram ali as primeiras obras versando assuntos regionais:
- A “Divina Pastora”(1847) e “O Corsário” (1849) deJosé Antônio do Vale CALDRE E FIÃO. A Sociedade Partenon Literário teve como idealistas e líderes, Caldre e Fião e Apolinário Porto Alegre. Sua obra maior foi a de trazer a cada um o espírito nativista gaúcho, principalmente àqueles que, abandonando o campo, se instalaram na “cidade grande” alheia aos usos e costumes nativos. Estava renascendo o sentimento que viria nutrir os fundadores dos primeiros CTGs. Mas antes, houveram outras agremiações pioneiras no cultivo das tradições do Rio Grande do Sul... a nossa terra!

(Continua na próxima edição).

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Olá, deixe seu comentário para PRIMÓRDIOS DO MOVIMENTO TRADICIONALISTA (1)

Enviando Comentário Fechar :/

PUBLICIDADE Jornal Nova Época